SIM, SOMOS VEG!

Conheça histórias de pessoas de Marabá e Parauapebas que mudaram o estilo de vida ao aderirem ao veganismo.

Você está acostumado a ouvir de pessoas que não comem carne. No passado, a palavra vegetariano representava as pessoas que se abstinham de se alimentar de fontes de proteína animal por uma questão de saúde. 

Nos últimos anos, passamos a conviver com os veganos, que deram um passo além. Mais do que os cuidados com o que comem, eles estão ligados a movimentos ecológicos. O impacto que esses movimentos têm no planeta são muito grandes e benéficos. Certamente, vocês acompanham notícias sobre o desmatamento das florestas brasileiras. A diminuição do consumo de carne está totalmente ligada a essa causa e ajuda a diminuir essa destruição, pois a maior parte das áreas queimadas é vendida para os pecuaristas criarem mais gados, que futuramente serão mortos para consumo humano.

Neste especial, vamos apresentar histórias de pessoas das duas maiores cidades do sudeste paraense que aderiram ao veganismo e alcançaram resultados surpreendentes.

Vegetariana rumo ao veganismo

A escolha por uma alimentação sem proteína animal não está restrita aos adultos. Geovanna Luize faz parte de um grupo crescente de adolescentes que vem adotando dietas vegetarianas ou veganas.

Há pouco mais de um ano e meio – em meados de janeiro de 2020 – quando tinha apenas 14 anos, Geovanna Luize Tartaglia Matos, atualmente com 16 anos, decidiu mudar radicalmente sua alimentação após assistir a uma maratona de vídeos e documentários sobre veganismo e vegetarianismo.

Segundo ela, a mudança realmente aconteceu da noite para o dia. “Eu virei para minha mãe e falei ‘ quero virar vegetariana’ e aí todo mundo me apoiou em casa, porque eles achavam que eu ia desistir depois de uma semana. Passados os primeiros sete dias, minha mãe viu que eu estava realmente focada e começou a me ajudar, ir atrás de proteínas, receitas e restaurantes”, relembra.

Geovanna conta que durante o processo de pesquisa sobre o assunto assistiu, principalmente, a documentários do ator Leonardo DiCaprio, vegano e ativista ambiental. Ele, inclusive, produziu um conteúdo para a Netflix sobre o tema ‘Cownspiracy’, além de ser sócio de algumas empresas de comidas veganas.


“Assisti também ‘Dieta dos Gladiadores’, o qual mostra que a gente não precisa ter carne bovina, peixe ou frango na alimentação para sermos bons nos esportes, com força e resistência. Quando vi que os maiores atletas e profissionais são vegetarianos ou veganos, percebi que era possível pra mim”.

“Fresca com comida”
Nos primeiros dias, Geovanna explica que comia o básico: arroz, feijão e vegetais – o que foi um grande avanço – e precisou fazer uma reeducação alimentar.


“Eu não gostava de nenhum vegetal, então todo mundo achava que eu ia desistir. Onde já se viu um vegetariano não gostar de vegetais? Mas eu fiquei firme e com 15 dias já estava adaptada. Hoje em dia, gosto de comer tudo, mas eu era muito fresca em relação à comida”, conta, sorrindo.
Escolhas conscientes


O vegetarianismo surgiu inicialmente por causa dos animais. Após estudos e pesquisas, Geovanna percebeu que se tratava de algo bem maior. Além dos impactos ambientais e da indústria agropecuária, a adolescente explica que com a mudança percebeu outra coisa que melhorou muito: sua saúde.


“Antes comia muito fast food e alimentos processados e ficava com aquela sensação de estufada. Depois que mudei não fico assim, mesmo comendo uma quantidade maior do que antigamente. Dei uma diminuída considerável nas besteiras, mas ainda como pizzas, por exemplo.


Com a “nova vida” de Geovanna, o impacto também foi sentido na sua casa. Morando com o pai e mãe, ela afirma que não teve muito apoio do genitor no início. Contudo, a mãe não só a apoiou como também reduziu o consumo da carne animal. “Com isso, melhorou a alimentação como um todo de casa. Começamos a eliminar produtos industrializados e fizemos algumas substituições”, celebra.


Geovanna revela ainda que chegou a sentir muita vontade de comer carne, foi quando recorreu às opções vegetais disponibilizadas no mercado. Com o tempo, seu corpo parou de pedir o sabor da carne, então ela realmente desacostumou.


Um passo ao mundo vegano
Com a mudança para o vegetarianismo, as pesquisas sobre o assunto continuaram. A adolescente afirma que seu desejo é se tornar vegana e percebeu que precisava parar com o consumo de ovos e leite. O que aconteceu por cerca de três meses, mas voltou a comer logo depois porque passou a fazer atividade física na academia.

“Ainda consumo muito ovo e derivados do leite, mas não me sinto culpada. Estou fazendo o que é possível nesse momento. Até porque diminuir a taxa do consumo de carne já é um avanço, e futuramente quero me tornar vegana”.

A mudança, que começou há um ano e meio, rendeu amadurecimento, um novo olhar para os alimentos e um corpo muito mais saudável. Geovanna finaliza afirmando que o esforço vale a pena.

“No início você vai ficar tentada, mas vai valer a pena. E se tiver uma recaída vez ou outra, tá tudo bem. O importante mesmo é persistir na escolha. Meu conselho para quem quer iniciar é começar pela segunda sem carne. Toda segunda-feira ficar sem consumir qualquer tipo de alimento com origem animal. Para quem tem dificuldade pode começar a fazer assim, ou alternar os dias. Eu sei que não é fácil, mas vale a pena”.

O novo viver de Lorena

Como o lúpus levou Lorena Ferraz a mudar o estilo de vida, apostando na alimentação vegana. Além da saúde, ela ganha dindim com o negócio

O lúpus é uma doença inflamatória autoimune que pode afetar múltiplos órgãos e tecidos, como pele, articulações, rins e cérebro. Ao descobrir a doença há alguns anos, Lorena Ferraz, de 35 anos, fez algumas mudanças no seu estilo de vida, e a alimentação foi uma delas.

“Não foi fácil. Tive um problema crítico de saúde e após uma consulta com um nutricionista, ele me propôs a dieta plant based (baseada em plantas) grãos e sementes. Tirei toda a proteína animal da minha alimentação”.

Nesse período, Lorena que já tinha uma filha, sonhava em engravidar novamente, o que não é muito fácil para quem tem lúpus. Com doze dias de alimentação totalmente restrita, seguindo à risca tudo o que foi proposto, ela refez os exames de sangue por conta própria e as taxas que antes estavam altas, caíram pela metade.

“Quando a gente tem um problema de saúde temos medo de comer algo e aquilo fazer mal. Não foi fácil essa mudança. Com três meses, em um retorno ao nutricionista ele me propôs que eu voltasse a me alimentar com proteína animal novamente, mas não quis. Eu vivo muito bem, meus exames todos normais, tive remissão da doença, consegui engravidar novamente e tenho outra filha, graças a Deus”.

Para dar apoio e suporte durante esse processo, Lorena contou com a parceria do esposo, Thyago Ferraz. “Ele me acompanhou no início, que foi um momento muito difícil. Hoje ele está mais maleável e já come um pouquinho de proteína animal, mas nada exagerado como antigamente”.
A mudança trouxe para Lorena uma vida muito mais saudável. Com um olhar diferente em relação aos alimentos, a chefe de cozinha sabe que o alimento tem o poder de nutrir ou destruir um organismo, e com a sua mudança, ela afirma que se sente muito melhor.

“O intestino funciona bem. As dores articulares diminuíram consideravelmente, a disposição é outra coisa que melhorou muito. A pele, o cabelo, a cabeça”, explica Lorena que faz um acompanhamento nutricional e suplementação do complexo B, por não ingerir proteína animal.

Olhar no empreendedorismo
Com a restrição, Lorena começou a participar de cursos para poder se alimentar. E foi justamente nesse período que surgiu a Lô Comedoria, um lugar que oferece alimentos inclusivos para pessoas que não comem proteína animal, ou que são intolerantes ou alérgicos ao leite, ovo e glúten, por exemplo.
“Temos produtos com proteína animal, mas todos os nossos alimentos são sem glúten e sem lactose. Eu não sabia que tanta gente sofria por não poder comer um doce, uma comida na rua. Tivemos uma aceitação muito boa”, relata.

Na avaliação de Lorena, virou uma certa modinha, de uns tempos pra cá, ser vegano. No entanto, ela afirma que todos que estão seguindo esse estilo de alimentação devem procurar um profissional capacitado para que haja um acompanhamento nutricional.

O empreendimento de Lorena consegue atender um público diverso e com produtos para todos os gostos, que são produzidos e comercializados em uma loja. Uma das grandes inovações da chef de cozinha é a famosa coxinha de jaca. Assim que lançou essa iguaria em Marabá, muita gente se assustou e também ficou com curiosidade de experimentar.

“Surgiu pela minha necessidade, porque eu não podia comer carne. Pesquisei, fiz cursos de salgados veganos e encontrei a jaca. Usamos a fruta in natura. A gente corta a jaca verde e dura, cozinha, tempera e refoga como se fosse carne mesmo. E aí colocamos nos recheios da coxinha, pastel, quiche ou no que o cliente preferir”, revela.

Trabalhando com produtos naturais e farinhas de boa qualidade, Lorena explica que alguns produtos ainda são adquiridos por um preço bem oneroso. Mesmo preferindo comprar no município, muitas vezes ela acaba obtendo de fora, já que compra uma quantidade maior com um preço mais em conta. Assim, pode oferecer um preço justo para o cliente.

A Lô Comedoria fica localizada dentro da Academia Gol de Placa, e além de lanches saudáveis e refeições congeladas, também dispõe do serviço de buffets em festas e eventos.

Dieta plant based no esporte de alto rendimento

Impactando positivamente na melhora do condicionamento físico e performance atlética, Thyago Ferraz é adepto da alimentação em períodos preparatórios de competições

Há mais ou menos 6 anos, Thyago Ferraz, agora 36 anos, entrou para o time dos triatletas. Desde menino, sempre gostou de esportes e atividades físicas. O administrador de empresa cuida, junto com a família de uma academia em Marabá e sabe da importância do bem-estar físico e da regularidade em se exercitar.

Nos períodos que antecedem as competições que participa, Thyago se dedica de forma intensa, tantos aos treinos como à alimentação. “Mesmo o atleta sendo amador, precisa estar bem na parte nutricional. Eu sempre fui muito focado nesse sentido e utilizo a estratégia do plant based, quando estou me preparando. É anti-inflamatória e existem muitos alimentos que vão te ajudar na recuperação muscular na questão da performance”, revela.

O atleta explica que a recuperação acontece de uma forma muito mais rápida, além de ficar mais disposto e eliminar a gordura corporal. Como triatleta – corrida, natação e ciclismo – Thyago afirma que precisa estar ‘seco’ e forte e com a dieta plant based ele percebeu que esse processo acontecia de uma forma mais eficaz.

Thyago iniciou essa mudança alimentar por conta da esposa, Lorena Ferraz, que aderiu à dieta plant based por conta de problemas de saúde. “Eu sentava à mesa e ela não comia proteína animal e eu com um pedaço de bife no meu prato. Não achei isso legal e como forma de incentivá-la, comecei a me alimentar de plantas, mas no início fiz sem orientação”, relembra, explicando que depois passou a se consultar com uma nutricionista que também é triatleta e adepta da mesma dieta.

Atualmente, Thyago está em um período “off session”, que é fora de temporada por causa da pandemia. Apesar disso, ele se alimenta de forma saudável e não exclui a proteína animal do cardápio. A estratégia plant based é adotada apenas na preparação para as competições.

“A Lorena é plant based. Eu sou apenas em ciclo de treinamento, então, no momento atual, faço uso de proteína animal com as minhas filhas e fico mais sociável”, brinca.

Para ele, a alimentação é fundamental durante o treinamento do triátlon. Thyago explica que a carga de treino é muito intensa, dando o exemplo de um final de semana de um triatleta se preparando para o Iron Man, que consiste em uma prova de 3.860 metros de natação, 180,25 quilômetros de ciclismo e 42,2 quilômetros de corrida.

“Numa sexta começo correndo 34 quilômetros, venho pra casa, me alimento, trabalho. Ao meio-dia, nado 3.500 metros. No sábado de manhã pedalo 120 quilômetros e corro mais 15 logo em seguida. Aí vou pra casa, cuido das crianças, fico com a minha esposa, vou passear. No domingo tem que pedalar mais 180 quilômetros. É uma carga de treino muito forte, se não tiver uma dieta voltava pra isso, não vai performar”.

No decorrer dos anos, da experiência e da orientação de profissionais capacitados, Thyago chegou à conclusão de que a dieta plant based ajuda na recuperação da intensidade dos treinos.

“Quando você se dedicar a um esporte, procure um profissional da área. Depois, consulte um nutricionista, para que não sinta dores e para emagrecer com saúde, tendo uma performance melhor no esporte escolhido”, finaliza Thyago.

Força empreendedora em Parauapebas

Grãos de Vida cresce na cidade com aumento da procura por alimentos mais saudáveis para mudança do estilo de vida

Enxergando o mercado crescente dos produtos orgânicos e de novas formas de se alimentar, respeitando mais a si mesmo e ao meio ambiente, Ana Júlia Pereira e a família se lançaram nesse nicho de mercado, há três anos. Hoje, o Empório Grãos de Vida colhe receitas não apenas de quem segue tais estilos de vida, mas também de quem mudou sua visão e busca se manter afastado de produtos industrializados, avaliados como vilões da saúde nos dias atuais.

A loja inicial, localizada logo nos primeiros quarteirões da Rua 14, um dos principais centros comerciais de Parauapebas, favorece a visualização da Grãos de Vida e sua vasta exposição de grãos, cereais, chás, frutas secas e outros produtos de baixas calorias e alto valor nutricional, como explica a própria gerente Ana Júlia, que além de tomar conta da loja, realiza graduação em nutrição, o que lhe auxilia a entender a importância dos alimentos que oferece.

“Minha família trabalha no ramo alimentício há 23 anos, com distribuição e produção de alimentos, e há três anos sentimos a necessidade de expandir para o ramo de produtos naturais. Antes, a produção [da família] era mais questão de especiarias mesmo, com temperos; com a loja, expandimos para outros produtos, principalmente os orgânicos” relata Ana Júlia, confirmando que ter mercadorias naturais sempre foi o viés da Grãos de Vida.

A gerente de apenas 23 anos aponta o crescimento da procura pelos produtos de sua loja, uma vez que fatores como a mudança na percepção dos industrializados, amplamente comercializados em mercados, tem ampliado a clientela da Grãos de Vida. Ela conta que não só vegetarianos e veganos procuram a loja, mas curiosos e clientes com algum problema de saúde são seu principal público.

A declaração não é das mais inesperadas, por assim dizer. Em estudo realizado em 2018 pelo Ministério da Saúde, com base nos dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN), 55% dos adolescentes (até 18 anos) se alimentam mal. Mais da metade dos jovens do Brasil tem o hábito de comer macarrão instantâneo, doces gordurosos e lanches como hambúrguer e salgadinhos acima do estipulado para se ter uma dieta saudável.

Ainda assim, Ana Júlia afirma que a procura não se limita a adultos e idosos, faixas etárias onde se espera maior cuidado com o corpo, uma vez que problemas de saúde são mais comuns para estes estratos da pirâmide etária.

“A gente vem percebendo que cada vez mais, não só pessoas idosas, mas também adolescentes e jovens estão em busca dessa alimentação e de um estilo de vida melhor e mais saudável, com produtos naturais”, afirma Ana Júlia.

Outros fatores abordados pela jovem empreendedora que justificam a grande procura por produtos orgânicos é a prevenção de doenças relacionadas à nutrição, como hipertensão, diabetes e obesidade. Por contar com produtos igualmente calóricos, mas que dispõem de gorduras saudáveis, permitindo assim uma substituição energética mais eficiente ao corpo, a Grãos de Vida oferecer alternativa aos seus clientes para continuar comendo bem – e de forma mais saudável.

“Muitas pessoas que estão com algum problema de saúde, ou mesmo que desejam entrar nesse ciclo de uma alimentação mais saudável, veem a necessidade e procuram por alimentos ou medicamentos naturais. Um dos nossos diferenciais é que vendemos produtos naturais a granel. Às vezes, o cliente não conhece aquele produto, então, ele põe a quantidade que quer e precisa para aquele momento” diz Ana Júlia, contando mais uma vantagem de quem se torna cliente da Grãos de Vida.

Entre farinhas, castanhas, temperos, chás, desidratados e óleos naturais, Ana Júlia também muda a própria alimentação, buscando as vantagens dos produtos orgânicos. “Há muito tempo, eu busco me alimentar de uma forma mais saudável e trago isso como um estilo de vida”, diz a gerente, orgulhosa de seu comércio e de como ele melhora a vida de muitos parauapebenses.

Casal se volta à natureza na badalada Parauapebas

Gleiciane Cardoso e Itacir Camelo são adeptos da chamada “permacultura”, baseada numa no consumo “com a natureza”, e não “da natureza”

Um aspecto vital do movimento vegano é a constante crítica ao atual modo de consumo da sociedade, de maneira irresponsável, a ponto de visar o esgotamento dos recursos no planeta. Mais do que apenas desencorajar o uso de animais na alimentação e na indústria, o veganismo incentiva um estilo de vida verdadeiramente sustentável, em que o meio ambiente como um todo é respeitado no processo.

Leituras como essa fizeram Gleiciane Cardoso Costa Camelo e Itaci Silva Camelo se desgarrar dos costumes típicos do mundo capitalista e procurarem respeitar a si mesmos enquanto humanos, bem como respeitar a terra em que vivem. Adeptos da chamada “permacultura”, baseada numa cultura de consumo “com a natureza”, e não “da natureza”, o casal mora há dois anos numa chácara, 24 quilômetros distante do centro de Parauapebas.

“A permacultura envolve todo um contexto, uma forma de se viver no âmbito das construções. A nossa casa é bio-construída e utiliza técnicas ecológicas; usamos a agricultura sintrópica, que é uma forma de agricultura orgânica e que está em consonância com os princípios da natureza” explica brevemente Itaci, mostrando as “bioconstruções” da chácara do casal.

A alimentação de Gleiciane e Itair não é só vegana, mas também frugívora e crudívora: os dois comem apenas frutas e vegetais, que não vão ao fogo. “No café da manhã é essencialmente de frutas, o almoço só frutas e no jantar eles comem saladas. É uma alimentação em abundância: no almoço consomem cerca de torno de dois quilos de frutas. Isso me dá uma sensação de saciedade tranquilamente até a hora do jantar” garante Itaci.

A casa, a alimentação e a filosofia dos dois vão ao encontro com um mesmo interesse: sair do desgastante e ambientalmente irresponsável modo de vida presente nos centros urbanos. Itair e Gleiciane começaram todo o processo de mudança de estilo há cinco anos, gradualmente abandonando o consumo de carne, laticínios, ovos e outros produtos animais ao longo do período. Depois de algum tempo vivendo na vila Cedere, na zona rural de Parauapebas, se mudaram para a chácara, onde moram há dois anos.

“Foi um processo de tomada de consciência, que nos levou a mudar o estilo de vida a partir do momento que a gente começou a estudar quais impactos o nosso cotidiano podia gerar no mundo. Compreender os danos ambientais e físicos que uma alimentação ruim pode causar, o processo da exploração animal e assim como também os impactos que isso gerava no mundo, como por exemplo, o desmatamento de florestas, poluição ambiental e vários outros impactos também” lamenta Gleiciane Camelo.

Itaci direciona as críticas ao modo capitalista de vivência, e fala sobre o desafio de sair da zona de conforto. “Todo mundo fica preso nesse paradigma vigente, que muitos criticam, dizem ‘ah, o capitalismo, etc’. No entanto, ninguém está pensando em alternativas. E nós, com toda essa bagagem de conhecimento sobre permacultura, a gente oferece essas opções”.

CLAREAR
O novo modo de vida de Gleiciane e Itaci expandiu-se além da chácara do casal e foi enviesado na Clarear, um empreendimento criado por eles para vender produtos alimentares veganos. Segundo ela, mais do que um sustento, o intuito da Clarear é também oferecer a ideia da cultura sustentável e harmoniosa com a natureza para a realidade de Parauapebas.

“Temos um propósito, junto com outros empreendimentos sustentáveis, de mapear todos que atuam nesse segmento, constituindo uma rede, uma associação de empreendedores sustentáveis. Justamente para facilitar para outras pessoas, que estão procurando consumidores conscientes” explica Gleiciane, pontuando que o objetivo é mudar o mundo de uma forma harmoniosa.

Os produtos são feitos na residência do casal, que apesar de não consumirem alimentos cozidos ou assados, mantém um fogão no local para produzir molhos, patês, doces, salgados e probióticos (as chamadas “kombuchas”, bebidas de chá fermentado) outras comidas livres de crueldade animal. Sob encomendas nas redes sociais, a Clarear recebe os pedidos e os entrega duas vezes por semana na cidade.

Itaci, que é funcionário público do município de Parauapebas, conta que metade da renda do casal vem da Clarear: “A princípio, a gente começou a produção de probióticos; foi algo bem modesto e sem tantas pretensões financeiras. Depois, introduzimos as comidas veganas, e aí cresceu muito a renda, porque as pessoas estão procurando mais alimentos e, atualmente, a gente está investindo nessa produção, que é algo mais fácil”, explica ele.

Aliando consumo verdadeiramente consciente, produção sustentável que gere a renda necessária para a manutenção de sua propriedade e a ausência de produtos de origem animal, Itaci e Gleiciane desafiam a lógica vigente no mundo de hoje. Em consonância com o planeta, não vivem dele, mas com ele, oferecendo uma nova visão para seus consumidores, sua rede de empreendedores e sua sociedade.

Um chamado da natureza à Karina

Jovem precisou morar dentro da floresta para entender sua ligação com o meio ambiente e criar uma saboaria

Além da alimentação, a luta do veganismo se estende para toda a indústria, desde a da carne, leite e ovos, até o uso de animais para testagem de produtos de limpeza e higiene pessoal. Os desafios de uma produção sustentável e livre de crueldade animal são muitos, mas um “chamado da natureza” fez Karina Martins de Carvalho tornar sua produção mais do que um sustento.


Karina, formada em fisioterapia, trabalhava em sua área até 2015, quando saiu de Belo Horizonte para morar no Pará. O então esposo da fisioterapeuta havia adquirido uma fazenda às margens do Rio Xingu, cinco quilômetros dentro da Floresta Amazônica. O contato intenso com a natureza teve efeitos presentes até hoje em sua vida.

“Andávamos dentro da mata fechada e eu não sei o que aconteceu. Foi um despertar que não sei explicar… Descobri do nada a saboaria natural olhando pela internet. Foi engraçado! Achei interessante e comecei a pesquisar, estudar saboaria sozinha, comprei materiais e passei a testar. Logo, saíram os primeiros sabões”, relata Karina, que dá nome a própria saboaria, com a produção sendo toda concentrada em seu apartamento, no bairro Chácara do Sol, em Parauapebas.

Com uma pós-graduação em fitoterapia em curso, Karina trabalha com cosmetologia natural, área em que também se pós-graduou. Sua empresa oferece uma gama de produtos de higiene pessoal e estética, de xampus e condicionadores a hidratantes e cremes faciais, embalados em papel celulose biodegradável. “Mesmo os que têm embalagem [não-biodegradável] eu oriento que as reaproveitem ou as reciclem”, diz ela, feliz que sua mercadoria não causa mais danos ao meio ambiente.

O viés ambiental é, inclusive, o de maior prioridade para a clientela de Karina. “80% das pessoas chegam até mim pela preocupação ambiental, porque eu não faço divulgação. Então, quem me procura pelo Instagram é porque valorizam os produtos naturais, não-poluentes, não-tóxicos ao corpo. Há uma parte da clientela que procura só pela estética mesmo, mas o foco é nas pessoas ligadas ao meio ambiente”, relatou.

Com uma produção totalmente vegana, Karina hoje se sustenta apenas com a venda dos cosméticos naturais. O cuidado ao próprio corpo humano tem uma importância muito grande para a Karina Saboaria, o que faz a empreendedora refletir: “Tive uma preocupação desde os meus primeiros sabões, de serem ecologicamente corretos e sem poluentes. O xampu feito com poluente lava seu cabelo, mas aquela espuma que escoou para o esgoto polui um rio. Não existe 100% biodegradável, mas quero o mais próximo disso possível”, afirma.

A cosmetóloga procura alinhar seus produtos pessoalmente com os clientes, trazendo uma abordagem personalizada para cada uma de suas mercadorias. “Eu aviso que o pedido pode demorar até um mês para ser entregue, e eles me esperam porque sabem que é de qualidade e está sendo feito pensando neles. Minha energia está toda naquele cliente, a gente conversa, fico amiga dele e não tem nada que pague essa interação”, conta Karina, em uma fala cheia de gratidão.

Mesmo suas ambições enquanto empreendedora não são maiores do que ela já conquistou. Karina revela que durante o ano de 2021, foram cerca de 500 pedidos – fora os sólidos, produzidos e vendidos a pronta entrega – e que a demanda tem aumentado, mas que mesmo assim não pretende expandir seu negócio, afim de permanecer com a abordagem personalizada de sua saboaria.

“Não quero crescer, o meu propósito de vida está nesse trabalho e ele está muito longe de ser ganhar dinheiro. Isso é consequência, eu quero qualidade de vida! Eu gosto de trabalhar na minha casa, no meu tempo. Não quero envolver burocracia e gosto das coisas do jeito que estão”.

INDÚSTRIA
Questionada sobre o veganismo e o modo de produção sustentável e responsável que emprega em sua saboaria, Karina pondera sobre até onde o consumo de cosméticos abrasivos ao meio ambiente e às pessoas é vantajoso, colocando os prós e contras ao corpo humano e ao planeta Terra.


“A gente precisa pensar seriamente na exploração animal e ambiental. Até que ponto produtos industrializados são bons? Há muita tecnologia por trás, mas até que ponto a sua beleza vale a degradação do planeta onde você está? O que você está deixando para depois [no futuro]? Eu acho que não vale a pena”.

A cosmetóloga celebra o fato de seus produtos também oferecerem uma reflexão sobre pequeno e grande produtor. “As pessoas estão se politizando. É uma questão de saber para onde seu dinheiro está indo: vai para a grande indústria? Tá indo pra fora do país? Há muitas pessoas que me procuram pensando nisso, para quem estão dando renda. É um conjunto de fatores e não deixa de ser um trabalho político também”.

Entre uma lenta e afetuosa produção de cosméticos e uma intensa e profunda reflexão sobre a indústria estética e seus efeitos sobre a raça humana, animal e a natureza, Karina continua a fabricação em sua saboaria, com a leveza de quem tira o sustento de práticas minimamente abrasivas ao meio ambiente. “[As embalagens] são bem bonitinhas, né?”, diz ela, com um sorriso no rosto.

Restaurante inspirado na filha

Intolerância alimentar levou Camila dos Santos a inovar com primeiro restaurante saudável de Marabá

Assim que sua filha nasceu, Camila dos Santos Silva, que na época tinha 30 anos, teve de começar a estudar gastronomia funcional, pois o bebê apresentava intolerância à lactose. Engenheira de alimentos, ela já trabalhava como instrutora em algumas instituições de ensino, mas precisou se aprofundar no assunto com o objetivo de produzir os próprios alimentos para a menina.

Hoje, aos 37 anos, Camila é empreendedora e proprietária do Suave Restaurante, um estabelecimento voltado para alimentação saudável. Mas quem pensa que ela já começou direto com um espaço grande, engana-se.

“Fui estudando e cozinhando em casa e as pessoas passaram a me procurar. Foi aí que percebi que em Marabá não existiam alimentos artesanais sem glúten ou sem lactose, então passei a produzi-los em casa para vender”, relembra.

Mesmo atuando na área, a chefe de cozinha só foi ter experiência com alimentação funcional depois dos cursos que realizou. O primeiro deles foi em Brasília, e assim que voltou divulgou nas redes sociais. “Mães com crianças alérgicas passaram a me procurar e o negócio foi crescendo. Montei minha marca e fiz uma cozinha industrial em casa. Comecei a fazer marmitas congeladas, sai um pouco do salgado e fui pra comida mesmo. Eu produzia, embalava, entregava… fazia tudo. Foi quando percebi que meu espaço já estava pequeno”.

Mais ou menos dois anos depois, Camila decidiu abrir seu espaço. Um local menor que o atual, mas aconchegante e de comida saborosa como é nos dias de hoje. Com o restaurante físico, ela conseguia abranger um maior número de pessoas, já que não existia um restaurante em Marabá específico para esse tipo de alimentação.

“Nosso objetivo é incluir as pessoas, é facilitar. A gastronomia saudável é a junção da nutrição com gastronomia. Como diz Hipócrates, o pai da Medicina, ‘o alimento pode ser seu remédio’. Então, o objetivo do Suave é oferecer saúde e bem-estar às pessoas que têm patologias. Trabalhamos para oferecer uma comida bonita e gostosa”.

Aliado a tudo isso, Camila preza pela sustentabilidade, como a forma de aproveitamento dos alimentos, produção e valorização dos produtos regionais.

Ela conta que o carro chefe do Suave Restaurante são pratos que levam como alimentos principais peixes, mandioca, farinha, tucupi e jambu. Não precisa ser nada sofisticado, trazemos tudo de forma simples e de maneira leve aos nossos clientes”, explica a chefe de cozinha.

Com o intuito de agregar, ela disponibiliza no cardápio todos os dias uma opção vegana, baseada em vegetais e sem proteína animal. O arroz e o feijão, por exemplo, são ricos em aminoácidos essenciais.

“A alimentação plant based inclui as pessoas, que não podem ou que não gostam de consumir. É legal a experiência que alguns clientes têm ao comer um croquete de feijão, a nossa feijoada vegana, hamburguer de grão de bico. São alimentos que diminuem os impactos ao meio ambiente e estão acessíveis para todo mundo”.

Camila explica que se alimentar de forma saudável não é difícil, mas é um estilo de vida e mudar de forma radical sem um acompanhamento nutricional não é a forma correta. “Na proteína animal existem vitaminas que são necessárias para o bom funcionamento do corpo humano, por isso é necessário procurar um profissional. Você precisa ter uma junção no prato para conseguir equiparar a proteína animal”, fala a chefe, enfatizando que nesse período, quem deseja realizar essa mudança necessita estar aberta a descobrir novos sabores e ter novas experiências com os alimentos.

Feliz e realizada sete anos depois de ter iniciado no ramo da alimentação saudável, Camila afirma que ama trabalhar e receber seus clientes no Suave. “As pessoas ficam felizes e até não acreditam que aquele alimento pode ter sabor. Através de estratégias conseguimos texturas, aromas e sabor, sem usar conservantes e corantes artificiais. Fico muito feliz de trabalhar e trazer qualidade de vida para Marabá”, finaliza a empreendedora.

Vegano por ideologia e convicção

Jornalista revela os motivos pelos quais se tornou vegano e como enfrentou dilema nas confraternizações com amigos

O termo vegan (vegano em português) foi criado em 1944 pelo britânico Donald Watson e transformou-se em um movimento político, ético e de estilo de vida. Com o objetivo de excluir todas as formas de exploração animal, seja na alimentação, no vestuário ou produtos de higiene, o estilo busca evitar qualquer tipo de sofrimento aos animais.

O jornalista Osvaldo Henriques Maia, atualmente com 33 anos, começou a pensar sobre o veganismo pela primeira vez ainda na adolescência, quando descobriu como se fazia o foie gras (termo francês que significa ‘fígado gordo’. O alimento pode ser de ganso ou de pato, que é forçosamente alimentado até a exaustão, levando a hipertrofia lipídica do órgão).

Assustado com a produção e a vida do animal até chegar à morte, Henriques ficou com essa imagem na cabeça. Os anos se passaram e as dúvidas sobre a dificuldade de ser tornar vegano, a onerosidade e o que iria comer fizeram com que ele postergasse a decisão por mais tempo. “Também pensei em virar vegetariano, mas ficava com aquele negócio na cabeça de que só ser vegetariano não iria adiantar diante da exploração animal. Então fui estudando, o tempo foi passando, fui lendo sobre o assunto…”, relembra.

O início foi de forma simples e cautelosa. Começou fazendo o “Segunda Sem Carne”, que é um movimento mundialmente conhecido que se propõe à conscientização das pessoas sobre os impactos que o uso de produtos de origem animal causa.

Aos 26 anos, ele iniciou a transição para o vegetarianismo e, no Natal de 2017, Henriques considera a data em que passou a ser, de fato, vegano. Uma ceia, feita por ele, completamente sem alimentos de origem animal, foi servida aos convidados. Dali em diante não comeu mais nada relacionado a alimentos não veganos.

“O mais difícil é o nosso costume, questão cultural mesmo. Você está acostumado a fazer um pão com queijo e presunto. Mas depois que passam os dois primeiros meses, descobre o que realmente vai comer, não tem muita dificuldade”, garante.

Convicto da sua escolha após muito estudo, livros e documentários, o jornalista, em um certo momento pensou: ‘não quero mais fazer parte disso’. E mudou.

Ele conta que não conseguia mais ver os alimentos de origem animal como comida. “Assim como não vejo um cachorro como comida, não vejo um porco ou uma galinha, por exemplo”.

Amigos

Uma das maiores dificuldades enfrentadas com a mudança da alimentação e estilo de vida foi em relação aos amigos. Sem comer nada de origem animal por ideologia e convicção, ele afirma que não existe exceção.

“Não como porque não acho correto e as pessoas – principalmente no ambiente de trabalho – não entendem. Sempre me oferecem e ainda me chamam de mal educado por não aceitar”, confessa.

Outro item que se transformou em lamúria pela turma de amigos que convivem com Henriques é o fato de ele não contribuir financeiramente com as reuniões e lanches. “A base do meu pensamento é exatamente não financiar essa indústria. Eu não vou nem emprestar dinheiro para uma pessoa comer algo com origem animal. Foi difícil para a maioria entender, mas depois foram meio que obrigados. Foi na marra”, revela, sorrindo sobre o fato.

A alimentação, inclusive, não tem nada de monótona. Segundo ele, a diversidade e os novos sabores de alimentos são inúmeros. O hambúrguer, que antes era de carne, hoje pode ser de feijão, grão de bico, lentilha ou ervilha. “Abre muito mais o leque de opções”, orgulha-se.

Sobre a saúde, Henriques afirma estar tudo bem, e confirma que faz suplementação que todo vegano precisa: Vitamina B12.

Ideologia

“Veganismo é ter todas as atitudes possíveis contra a exploração animal e meio ambiente”, resume Oswaldo, que não esconde ter se vacinado contra covid-19, mesmo a vacina tendo sido testada em animais. “Não vou prejudicar a saúde pública por causa disso. Adoraria que não tivesse sido testada, mas eu regro o que é o melhor”, ensina, mostrando maturidade de pensamento.

Mitos e verdades sobre o veganismo

Para evitar que pessoas continuem a se alimentar por conta própria, nutricionista alerta para que nutrientes e vitaminas não faltem no organismo

Nutricionista há sete anos, Laisla Bonfati Rafael, 29 anos, escolheu a profissão por ter apresentado sobrepeso durante o período da adolescência, principalmente na época de transição entre o colégio e o vestibular. Com toda a pressão da aprovação, Laisla acabou tendo uma compulsão alimentar e um considerável aumento de peso.

Foi aí que começou a ler e colocar em prática o que estava ao seu alcance, já que naquele momento ela não possuía poder aquisitivo para consultar uma nutricionista. “Era uma realidade muito distante. E quando resolvi emagrecer e consegui, desisti de cursar direito, que era o que queria, e resolvi fazer nutrição”, relembra.

O sobrepeso no período da adolescência, inclusive, é muito mais comum do que a gente imagina. Aliás, algumas dietas “da moda” fazem com que adolescentes e adultos se alimentem de forma errada e acabem ganhando peso, ao invés de emagrecer.

O Correio de Carajás conversou com a nutricionista para desmistificar e oferecer ao leitor a visão de um profissional da área sobre a alimentação vegana.

De acordo com Laisla, o primeiro passo para quem deseja praticar esse estilo de alimentação é montar um cronograma para que o paciente não tenha uma carência nutricional, independente do objeto, seja emagrecimento, manter o peso ou hipertrofia. Além disso, é preciso sempre observar os exames clínicos e ficar de olho na saúde do paciente.
Dúvidas frequentes

Carne faz mal?
“Não existe um alimento de forma isolada que faça mal. O mal é o excesso. A pessoa come uma grande quantidade de gordura, de carne, de carboidrato, aí sim, faz mal. A carne em si não faz mal”.
Laisla ressalta que a quantidade de vitamina B12 encontrada na proteína animal é o suficiente para o nosso organismo, por isso quem exclui esse tipo de alimento precisa fazer a suplementação da vitamina. “A B12 é protocolo marcado. Quando vamos montar uma alimentação com restrição, o paciente já sai com o pedido do suplemento”.

Vegano x Proteína
Segundo ela, através de uma dieta equilibrada é possível que um vegano consiga bater a quantidade de proteína diária a ser ingerida. Contudo, para quem tem o objetivo de ganhar massa – hipertrofia – é preciso suplementar.

“Quem deseja massa muscular precisa suplementar. Existe whey vegano que é produzido através da ervilha, do arroz, por exemplo. Essa é uma realidade. Não tem como a gente passar a mão na cabeça e iludir que só com a alimentação vai conseguir. Tem que suplementar”.

Iniciar a alimentação
“É preciso paciência. A pessoa que está em processo de transição, é importante deixar de ir comendo aos poucos. Deixa de comer uma coisa, depois deixa outra, sem culpa. Muita gente desiste porque retira todos os alimentos de uma vez e a dieta acaba sendo, além de restritiva, entediante”, explica Laisla, que afirma usar a criatividade na hora de montar um cardápio vegano.

Dica do Correio de Carajás
É importante consultar um nutricionista antes de, simplesmente, mudar o estilo da alimentação. É esse profissional que poderá acompanhar as suas taxas e garantir que você está fazendo as substituições adequadas, evitando, assim, deficiências de nutrientes no organismo.
Pesquise e faça um acompanhamento nutricional com profissional capacitado e registrado no Conselho Regional de Nutrição.

Realização:

Patrocínio:

APOIO:

Fale com o CorreioDoc
correiodoc.correiodecarajas.com.br.br
Publicado em 13 de setembro de 2021.

Expediente

EDIÇÃO

Luciana Marschall e Ulisses Pompeu

REPORTAGEM

Ana Mangas / Juliano Corrêa

SOCIAL MEDIA

Zeus Bandeira

EDIÇÃO DE VÍDEO

Bruna Soares

WEB DESIGN

Dihon Albert

FOTOS

Evangelista Rocha / Ulisses Pompeu / Juliano Corrêa

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Comentários